Carmen Locatelli
A intensidade do medo define o valor de seus sonhos!
Capa Meu Diário Textos E-books Fotos Perfil Livro de Visitas Contato Links
EU JÁ POSSO MORRER EM PAZ

10/06/2009 18:38

Ontem meu primeiro fio de cabelo branco surgiu e minhas mãos ficaram frias. A minha memória não lembra mais seus traços, nem suas faltas.
Meu ser evoluiu e minha alma se libertou; eu aprendi a me esquecer e já posso morrer em paz.
Hoje eu fiz um novo amigo, disse a este que o amava, dei minha vida por outro e já posso morrer em paz.
Eu aprendi a amarrar meus sapatos e vestir minha pouca roupa. Já consigo dominar meus medos e controlar minhas limitações. Eu li a obra mais perfeita e escutei o mais silencioso dos sons.
Eu entendi o plano da morte e já posso morrer em paz.
Ontem beijei de leve, beijei com tudo, beijei pra sempre... amei mais um homem imperfeito e amanhã amarei outro igual. Chorei de saudades deste primeiro e este outro nem sei mais, posso ficar com os dois ou posso morrer em paz.
Hoje eu briguei com Deus, comigo mesma e com a desigualdade. Briguei com a mentira, com a injustiça e com Maria.
Nem briguei!
Imortalizei alguém. Eu!
Sorri para uma criança, brinquei com outra, abençoei uma terceira e abençoei meus erros também.
Fiz milagres por mim e presenciei os seus. Fui sublime, humana, fui normal e já posso morrer em paz.
Eu senti o calor de minhas lágrimas, o peso de minhas palavras e o poder do meu silencio.
Sorrio largo e espaçado e até sorri mais humana para meu espelho.
Hoje eu fui amada e odiada e glorificada também. Repousei na sua cruz e senti seus medos em minhas mãos.
Fui rainha, donzela e anciã. Fui Carmen e já posso morrer em paz.
Seus olhos (pequenos) me observam de longe, de perto e de todos os ângulos possíveis. Apenas me observam.
Eles me desejam sem compromissos poucos, sem falsos desejos.
Você diz coisas belas, cheias e rasas. Densas.
Você fala do amor e fala de mim... pra mim. 
E agora eu me sinto como uma montanha: inescalável, mas real demais. Sou presente como doces anseios, precisa como ar e sua como deve ser.
Hoje um simples gesto seu me trouxe de volta. Penso: "ainda estou aqui"
Sinto que meu legado (inacabado) pode perdurar mais um tempo e eu devo/posso viver/morrer em paz!



 
Carmen Locatelli
Enviado por Carmen Locatelli em 14/10/2009
Alterado em 13/02/2018
Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.